quinta-feira, 13 de agosto de 2009

PEAM3 – Prática de Ensino e Aprendizagem Musical 3

UAB/UnB

Algumas histórias da Educação Musical no Brasil

Flávia Motoyama Narita


Desde a chegada dos jesuítas, logo após a descoberta do Brasil pelos portugueses, até sua expulsão, em 1759, a educação musical implementada por eles estava fortemente relacionada à religião, com o objetivo de catequização. “O trabalho dos jesuítas trouxe práticas musicais europeias para a colônia, que eram empregadas como meio facilitador da educação em geral” (OLIVEIRA, 2007a, p. 5). Dessa forma, estilos musicais europeus e repertório semelhante ao escutado em Portugal eram difundidos no Brasil. Os Autos, por exemplo, eram utilizados na catequização, resultando em orquestras compostas por índios e escravos na Bahia, a primeira capital do país (OLIVEIRA, 1993, p. 31).

No século XIX, após a independência do Brasil, temos a criação de instituições nacionais de música, como o Conservatório de Música do Rio de Janeiro, então capital do Brasil. Ainda adotando modelos europeus, o “currículo de música do Conservatório incluía voz e solfejo, instrumentos de cordas, instrumentos de sopro de madeira e metais, harmonia e composição” (OLIVEIRA, 2007a, p.6). Segundo Fuks (1993, p. 144), nessa época, “ao mesmo tempo em que nos salões da burguesia em ascensão ouvia-se e tocava-se música europeia, a escola, acompanhando o que a rodeava, cantava cançonetas italianas e francesas”.

Já no século XX, principalmente após a Primeira Guerra Mundial, as ideias nacionalistas são refletidas no repertório de canções patrióticas presentes nas escolas brasileiras. “Na década de 1920, a instituição absorveria o novo modernista e (...) o reproduziria na forma de duas metodologias musicais – o canto orfeônico e a iniciação musical” (FUKS, 2007, p.21). Esta última, liderada por Sá Pereira e Liddy Chiaffarelli Mignone, apresentou influências de “metodologias progressistas de Dalcroze, Orff, Kodály e, mais tarde, Willems, e eram organizados, principalmente, em escolas especializadas no ensino de música, e não nas escolas regulares” (FUKS, 1991 apud OLIVEIRA, 2007a, p.6).

Na Era Vargas, o Decreto 19.890 de 1931 prescreve Música (canto orfeônico) também para o ensino secundário e cria-se a Superintendência de Educação Musical e Artística, posteriormente denominada Serviço de Educação Musical e Artística (SEMA), com Villa-Lobos na direção. Os objetivos dessa educação musical, segundo Villa-Lobos, eram desenvolver a disciplina, o civismo e a educação artística (FUKS, 2007, p. 19). No Estado Novo,

[a] educação passa a ser utilizada como instrumento político para o controle do Estado, ou seja, um instrumento de doutrinação política. A utilização do sistema escolar como mecanismo de difusão ideológica visa não só inculcar a ideologia que legitimava o ‘Estado Nacional’, mas também impedir que surgissem ideologias alternativas. (SOUZA, 2007, p. 14) .

Os reflexos dessa política na educação musical são percebidos na utilização da música como meio de estabilização do regime Vargas, com o foco na disciplina, “militarização da educação” com a contribuição da música e formação de uma consciência nacional (ibid., p. 15-16). Para atender à demanda nacional, era necessária a formação de professores, que foram encaminhados para participar de cursos rápidos (de férias), com duração de apenas um mês.

Com o fim do Estado Novo e da Segunda Guerra Mundial, temos o movimento da criatividade, “inspirado pelas pedagogias centradas na infância, que salientavam o papel da criança no processo de aprendizado” (OLIVEIRA, 2007a, p. 6). Aliado à estética musical contemporânea, que abarca uma variedade de materiais sonoros, este movimento criativo teve como referências compositores contemporâneos como John Paynter (na Inglaterra), Murray Schafer (no Canadá) e Koellreutter (alemão radicado no Brasil). Entretanto, também encontravam-se no grupo em prol da criatividade, os professores egressos dos cursos rápidos que, segundo Fuks (1993, p.146), “entregavam-se a essa nova proposta pedagógica que se prestava muito bem para encobrir a ausência de conhecimentos específicos.” Assim, pode-se dizer que se por um lado havia “uma visão bem argumentada de que, na composição, as crianças estão aprendendo a lidar com e compreender a música, incluindo a do século vinte” (SWANWICK, 1993, p. 24); por outro, havia também uma compreensão equivocada de que esse movimento representasse experimentações sonoras sem objetivo visando à auto-expressão, onde tudo era permitido e, por isso, qualquer professor, mesmo aquele sem conhecimentos específicos, poderia orientar as práticas musicais.

O regime militar (1964-1985) sufoca este e outros movimentos, além de impor a Lei 5692, de 1971, que institui a polivalência a substitui a música pela educação artística, muitas vezes baseada em uma falsa integração entre as artes. Com isso, os professores foram obrigados a abordar conteúdos de outras artes, sem terem a formação específica adequada para se aprofundar em cada uma delas, resultando em atividades superficiais como “pintar a música”, “explorar sons de cores e paisagens”, “dançar poesias” e “dramatizar canções e peças musicais”
(TOURINHO, 1993, p. 110-111). Além disso, verificamos que música não consegue se inserir plenamente neste cenário, figurando muitas vezes como pano de fundo para outras atividades artísticas.

O fato é que a música não consegue se inserir de modo significativo nesse espaço, e a prática escolar da Educação Artística, que se diferencia de escola a escola, acaba sendo dominada pelas artes plásticas, principalmente. Vale lembrar que inúmeros livros didáticos de Educação Artística, publicados nas décadas de 1970 e 1980, apresentam atividades nas várias linguagens – artes plásticas, desenho, música e artes cênicas –, embora com predominância das artes plásticas. Além disso, é essa a área em que a maior parte dos cursos – e conseqüentemente dos professores habilitados – se concentra, de modo que, em muitos contextos, arte na escola passa, pouco a pouco, a ser sinônimo de artes plásticas ou visuais. E isso persiste até os dias de hoje ... (PENNA, 2004a, p.22)

Assim, a Lei 5692/71, com a substituição da disciplina curricular “Música” pela “Educação Artística”, acarretou em práticas escolares difusas, confusas e superficiais. Para a área musical, representou também uma tendência a silenciar práticas musicais nas escolas e, com isso, sua exclusão no currículo escolar. Nogueira (1997, p. 14) ainda alerta que essa Educação Artística não serviu aos propósitos de propiciar práticas musicais que pudessem, eventualmente, capacitar os alunos ao ingresso ao ensino profissionalizante de música.

A polivalência provou ser bastante nefasta ao ensino escolar, especialmente para a área de música. Somente a partir da nova LDB 9394/96, e através das recomendações dos PCN’s, o ensino de Arte passa a tornar-se especializado, ao menos formalmente. Porém, os problemas ainda são muitos. (OLIVEIRA, 2007b, p. 54-55)

Em 20 de dezembro de 1996, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) 9394 estabelece em seu Artigo 26, § 2º que “o ensino da arte constituirá componente curricular obrigatório, nos diversos níveis da educação básica, de forma a promover o desenvolvimento cultural dos alunos” (BRASIL, 1996). Entretanto, como não se estabelece qual arte, ou quais artes devem estar presentes na grade curricular, verificamos que muitas vezes a música, que já vinha com presença diminuída desde a Lei 5692/71, continuou excluída da grade escolar, apesar da existência de documentos como os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) que apresentam recomendações de como se trabalhar com a prática musical nas escolas. Como Penna (2004b, p. 9) aponta,

constata-se a permanência da polivalência como concepção e prática pedagógica no campo das artes, polivalência essa que acompanhou a implantação da Educação Artística e mantém-se como uma leitura possível dos PCN para Arte (cf. Penna, 2004[a]). Desse modo, apesar da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) de 1996 e das propostas dos Parâmetros, no universo investigado – e certamente não apenas nele – o ensino de música continua submetido ao campo múltiplo da Arte, com uma presença frágil e inconstante na prática
escolar, muitas vezes nas mãos de professores sem formação específica. (PENNA, 2004b, p.9)

Essa “presença frágil” da música como um dos componentes da Arte, vem suscitando debates e movimentação de várias pessoas envolvidas com a música. A articulação de várias entidades relacionadas à música resultou em um movimento em prol da inclusão da música como componente curricular na Educação Básica. Em um manifesto datado de setembro de 2006, solicitava-se:
- a garantia de um espaço legal para o ensino da música nas escolas de educação básica;
- a implementação gradativa do ensino de música nas escolas de educação básica;
- a elaboração de concursos públicos com mais vagas específicas na área de música, tendo em vista que resultados de trabalhos realizados em diferentes estados do país sugerem que são escassos os professores de música nas escolas de educação básica, bem como práticas sistematizadas de ensino musical; e
- a construção de projetos de formação musical e pedagógico-musical continuada para os professores em serviço na educação básica. (MANIFESTO)

Além da redação desse manifesto, o Grupo de Articulação buscou apoio de outras entidades musicais, artistas, estudantes e profissionais da área, coletando mais de 2300 assinaturas. Em novembro de 2006, o manifesto foi entregue em audiência pública no Senado, donde surgiram Projetos de Lei (PL) baseados no texto do referido manifesto. Durante todo o ano de 2007, o PL 330/2006 tramitou na Comissão de Educação do Senado Federal e teve sua aprovação em 4 de dezembro de 2007 (MANIFESTO).

Em 2008, o PL tramitou na Câmara dos Deputados e, após aprovação, foi sancionado pelo Presidente da República, tornando-se a Lei 11.769 de agosto de 2008. Esta Lei alterou o Artigo 26 da LDB 9394/96 com o acréscimo do § 6º, estabelecendo que “[a] música deverá ser conteúdo obrigatório, mas não exclusivo, do componente curricular de que trata o § 2º deste artigo” (BRASIL, 2008). Essa mesma Lei estabelece ainda que os sistemas de ensino terão três anos letivos para se adaptarem a essa exigência. Temos, então, uma grande vitória com a inclusão da música como disciplina curricular.

Entretanto, o veto ao Artigo 2º, que propunha o ensino de música ministrado por professores com formação específica na área, causou algumas frustrações entre os educadores musicais. Com relação a isso, o professor Sérgio Figueiredo, atual presidente da Associação Brasileira de Educação Musical – ABEM, declara:

O segundo parágrafo do veto parece lógico, na medida em que nenhuma área tem esta indicação na LDB, o que seria um precedente dentro do que diz a lei para todas as áreas do currículo. O problema foi o primeiro parágrafo do veto que estabelece uma grande confusão, já que menciona o artigo 62 da LDB, que trata da formação em nível superior em curso de licenciatura para atuação na educação básica, e ao mesmo tempo considera a possibilidade de pessoas sem titulação poderem atuar na escola com a área de música. (ABEM, 2008)

Figueiredo acrescenta ainda a importância de dialogarmos com as Secretarias e Conselhos de Educação para se adequar legislações específicas para cada contexto. Segundo Figueiredo, “em Florianópolis existe legislação específica sobre a contratação de professores com curso superior para todas as áreas, incluindo os professores das séries iniciais que a lei faculta não terem a formação superior” (ABEM, 2008). Ou seja, este é um exemplo de que é possível ter aulas de música com professores habilitados, garantido por Leis municipais.

Outro ponto levantado pelo presidente da ABEM é com relação à parceria entre as universidades, com seus cursos de licenciatura, e as Secretarias de Educação. A formação de licenciados em Música e a obrigatoriedade do ensino da música em toda a Educação Básica certamente fomentarão políticas para a inserção dos licenciados no mercado de trabalho e demandarão estratégias para a implementação da Lei de forma efetiva (ibid.).

Diante desse enário, faz-se necessário refletirmos sobre as práticas pedagógico-musicais apresentadas neste curso de formação de professores. De acordo com o Projeto Político Pedagógico deste curso de Licenciatura em Música da UAB/UnB, elaborado pelo Grupo de Educação Musical (GEM1) do Departamento de Música da Universidade de Brasília, espera-se que o contato com práticas musicais reais, vivenciadas em diferentes contextos, propicie a formação do músico e professor criativo, capaz de refletir na ação e sobre a ação para promover, com seus alunos, práticas com envolvimento direto com o fazer musical por meio da integração entre as modalidades de criação, execução e apreciação. Espera-se também que esse músico-professor em formação reconheça a diversidade de experiências e identidades de seus alunos e valide os variados tipos de músicas (de seus alunos, suas, de outras culturas, de concerto, popular etc.) bem como as diferentes experiências de aprendizagem (informais, formais, não-formais). Com isso, espera-se que os alunos egressos deste curso de licenciatura em Música possam contribuir ativamente no atual cenário da educação musical, promovendo práticas pedagógico-musicais com musicalidade e qualidade.

Após este breve panorama sobre algumas das histórias da educação musical no Brasil, apresentaremos durante a disciplina textos selecionados para ilustrar outras histórias com práticas pedagógico-musicais realizadas em contextos diversos. Concepções de pedagogia musical serão apresentadas juntamente com discussões sobre legislação e pesquisas desenvolvidas na área de Educação Musical.


Referências Bibliográficas:
ABEM. Palavras do presidente da ABEM sobre a aprovação da Lei n. 11.769, que estabelece a
obrigatoriedade do ensino de música na escola, 2008. Disponível em: http://www.abemeducacaomusical.org.br/noticias7.html. Acesso em 13/jul/2009.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 9.394/96. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/l9394.htm. Acesso em
13/jul/2009.


O Grupo de Educação Musical (GEM) do Departamento de Música da Universidade de Brasília é formado pelas professoras Cristina Grossi, Flávia Narita, Maria Cristina C.C. Azevedo e Maria Isabel Montandon. _______. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº11.769/2008. Disponível em: http://www6.senado.gov.br/legislacao/ListaPublicacoes.action?id=257518. Acesso em 13/jul/2009. FUKS, Rosa. Transitoriedade e Permanência na Prática Musical Escolar. In: Fundamentos da Educação Musical. Série Fundamentos, nº1, Associação Brasileira de Educação Musical, Porto Alegre, maio, 1993, pp. 134-156. _______. A Educação Musical da Era Vargas: Seus Precursores. In: OLIVEIRA; CAJAZEIRA (Orgs.) Educação Musical no Brasil. Salvador: P&A, 2007a, capítulo 3, p. 18-23.
MANIFESTO. Disponível em: http://www.queroeducacaomusicalnaescola.com/o_manifesto.htm#adesoes. Acesso em 13/jul/2009. NOGUEIRA, I. O modelo da Educação Musical no Brasil: um drama em três atos incongruentes. Revista da ABEM, Salvador, nº 4, p. 9-23, set. 1997. OLIVEIRA, Alda. Fundamentos da Educação Musical. In: Fundamentos da Educação Musical. Série Fundamentos, nº1, Associação Brasileira de Educação Musical, Porto Alegre, maio, 1993, pp. 26-46. _______. Aspectos Históricos da Educação Musical no Brasil e na América do Sul. In: OLIVEIRA; CAJAZEIRA (Orgs.) Educação Musical no Brasil. Salvador: P&A, 2007a, capítulo 1, p. 3-12. _______. Ações em formação musical no Brasil e reflexões sobre as relações com a cultura. Revista da ABEM, Porto Alegre, nº 18, p. 53-63, out. 2007b. PENNA, M. A dupla dimensão da política educacional e a música na escola: I – analisando a egislação e termos normativos. Revista da ABEM, Porto Alegre, nº 10, p. 19-28, mar. 2004a. _______. A dupla dimensão da política educacional e a música na escola: II – da legislação à prática escolar. Revista da ABEM, Porto Alegre, nº 11, p. 7-16, set. 2004b. SOUZA, J. A Educação Musical no Brasil dos Anos 1930-45. In: OLIVEIRA; CAJAZEIRA (Orgs.) Educação Musical no Brasil. Salvador: P&A, 2007a, capítulo 2, p. 13-17. SWANWICK, K. Permanecendo fiel à música na educação musical. Em: Anais do II Encontro Anual da ABEM. Porto Alegre, 1993. pp.19-32. TOURINHO, Irene. Usos e funções da Música na Escola Pública de 1º Grau. In: Fundamentos da Educação Musical. Série Fundamentos, nº1, Associação Brasileira de Educação Musical, Porto Alegre, maio, 1993, pp. 91-133.

segunda-feira, 27 de julho de 2009

terça-feira, 23 de junho de 2009

sexta-feira, 24 de abril de 2009

O SOL - PÓLO TARAUACÁ, NOVO ARRANJO.

Trabalho realizado pelos Acadêmicos de Música do Pólo Tarauacá-Acre. Disciplina Prática de Canto 2. Essa gravação foi realizada em um pequeno stúdio do meu amigo Giovanni Accioly. Componentres do quarteto: pela esquerda, MAIDNO SAMPAIO, PORTELA CACAU, ROGÉRIO CRAVEIRO e GIOVANNI ACCIOLY, taraefa realizada no dia 23 de abrgil de 2009, às 16 horas e 35 minutos.
video

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Padre Hubert Grossheim e Padre Mathias Leven

Esta foto foi tirada no dia da inauguração da Igreja de São Francisco, no bairro de Copacabana. Padre Hubert Grossheim e Padre Mathias Leven. Ambos falecidos, mas estão presentes nas lembranças daqueles que os conheceram e conversaram com eles. O povo de Tarauacá-Acre, ainda lamenta a perda destes dois heróis e defensores dos pobres, dos menos favorecidos de nossa comunidade, daqueles que os procuravam, sendo servidos e atendidos. Que Deus nos ajude e eles também.

Padre Hubert Grossheim

Este foi um grande homem que a cidade de Tarauacá perdeu no dia 02 de abril de 2005. Um grande defensor dos pobres e humildes.

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Segundo Bimestre da UAB-UNB

Conteúdo do segundo bimestre da Licenciatura em Música da UAB-UNB, a começar no dia 11 de fevereiro de 2008, com duração de 8 semanas. Uma boa parte do conteúdo está em apostilas.
Portela
Licenciatura em Música - Mus1
Pólo Tarauacá-Acre

Segundo Bimestre da UAB-UNB

Conteúdo do segundo bimestre da Licenciatura em Música da UA-B

domingo, 26 de outubro de 2008

Aula presencial de Música Pólo Tarauacá-Acre,

Aula de Música Pólo Tarauacá-Acre, no encontro presencial realizado no auditório da escola Dr. Djalma, com a presença do professor de Música Emerson, vindo de Cruzeiro do Sul. Concluindo assim o quarto bimestre da disciplina Prática de Canto. Em setembro de 2008. O Quinteto: josé Portela Cacau, Maidno Sampaio, Giovanni Acioli, Rogério Craveiro e Manoel Muniz Frota. Estavamos anciosos para realização desta atividade.

video

sábado, 21 de junho de 2008

Vídeo da música "Que País é Esse" da "Legião Urbana" tocada por mim
Vídeo da música "Que País é Esse" da "Legião Urbana tocada por mim
Vídeo da música "Que País é Esse" da Legião Urbana tocada por mim
Vídeo da música Que País é Esse da Legião Urbana tocada por mim
Vídeo da música Que País é Esse" da Legião Urbana tocada por mim

sábado, 14 de junho de 2008

Mus1 - Software Livre
por Jose Portela Cacau - quarta, 28 maio 2008, 20:28

Olá professora, eu entendo um pouco sobre programas, e sei que os softwares livres, também chamados de freewares, programas gratuitos, que podem ser acessados por qualquer pessoa e esses programas são perfeitos para o uso escolar. Nós estudamos artes, alguns programas freewares bons são encontrados no baixaki. Mas esses programas não são tão bons quanto os profissionais que são pagos.


José Portela Cacau
Licenciatura em Música
Pólo Tarauacá - Acre

Tecnologias Contemporaneas na Escola 1

Mus1 - Arte e Tecnologia
por Jose Portela Cacau - sábado, 31 maio 2008, 18:00

Após dar uma olhada na semana, e visitar a nova interface, onde lá se localiza todos os conteúdos desta unidade, o que me chamou mais a atenção foi o texto música por computador, de Cíntia Campolina, pois ele retrata mais ou menos aquilo que vamos fazer no futuro, quando nos formarmos em música, pois fala um pouco sobre os instrumentos e os associa com o microcomputador. No texto também fala sobre as mídias utilizadas pelos instrumentos que é o MIDI, uma mídia universal, utilizada somente para sons. Nele abre uma polêmica sobre a utilização desta mídia, pois se acreditam que no futuro o computador possa substituir os músicos.

José Portela Cacau
Licenciatura em Música
Pólo Tarauacá – Acre

Tecnologias Contemporaneas na Escola 1

Mus1 - Transformação social

Sim, nos dias atuais todas as coisas giram em torno das tecnologias, e o maior banco de dados existente em todo planeta está na internet, sendo possível o acesso de qualquer computador conectado na rede, e se observarmos bem, a sociedade e a educação brasileira já está modificada de acordo com a tecnologia, quase todas as escolas já possuem computadores.

Como futuro professor irei aderir as tecnologias, pois ajudam muito, e com certeza na minha sala de aula, sempre irei utilizar recurso tecnológicos para explicar os conteúdos.

José Portela Cacau
Licenciatura em Música
Pólo Tarauacá - Acre

Tecnologias Contemporaneas na Escola 1

Mus1 - TV x Escola

A televisão é o meio de comunicação mais utilizado atualmente, sendo o que mais persuade seus telespectadores, e a internet, que sem dúvidas é a atual febre mundial, e com certeza os assuntos neles expressos são de maior entendimento do que os apresentados pelo professor, pois eles buscam a melhor maneira para a compreensão do assunto. Então cabe ao professor buscar uma maneira que torne mais atraente o determinado assunto ao aluno, buscando recursos como a própria televisão e internet. Na atualidade ensinar e aprender não podem ser uma coisa forçada – como era feita alguns anos – deve ser espontânea de modo em que o professor e o aluno interajam entre si, haja um diálogo como se fosse entre amigos, com a finalidade de ensinar e aprender, seja uma coisa mais agradável de fazer.

José Portela Cacau
Licenciatura em Música
Pólo Tarauacá - Acre

Tecnologias Contemporaneas na Escola 1

Re: Mus1 - Escola do Futuro

Devido o que está acontecendo nos dias atuais as escolas serão movidas à tecnologia, notebooks ao invés de caderno, softwars ao invés da lousa, e etc. Com todos esses avanços, os alunos poderão aprender mais rápido, isto por causa da interatividade com o assunto, pois estudar em meio a tudo isso é bem divertido.

José Portela Cacau
Licenciatura em Música
Pólo Tarauacá - Acre

Tecnologias Contemporaneas na Escola 1

UM PROFESSOR DE ARTES

Um professor de artes não deve apenas saber do determinado assunto para ensinar, o professor de artes deve ter seus próprios métodos de ensino e aprimora-los ao decorrer de sua carreira, e cada vez mais ser um profissional de prestigio.

O aprendizado da disciplina de artes deve partir do aluno e o interesse também, o professor só será o auxiliador de sua aprendizagem, quanto mais motivado estiver o aluno menor será o tempo de se adquirir experiência com determinado assunto e maior será seu conhecimento.

José Portela Cacau
Licenciatura em Música
Pólo Tarauacá - Acre

PRÁTICA DE ENSINO E APRENDIZAGEM MUSICAL 1

Fundamentos da aula de Música

1- Para se dar uma aula de música é preciso de um planejamento, e nesta disciplina foi muito bem organizada para as aulas de música, pois a professora insere músicas e vídeos para um melhor entendimento do assunto, esses materiais que são utilizados para a nossa aula de música, são muito importantes, e nas outras disciplinas temos a parte prática da coisa, que é muito importante para ser um músico.

2- Na plataforma foram feitas, muitas atividades legais mas as que mais tiveram significativas influências na minha aprendizagem musical foi a primeira atividade, quando ouvimos a música do sapo, que sempre dizia que estava errado mas não fazia nada para ajudar. Em minha aula eu usaria várias técnicas para que os alunos pudessem aprender da melhor maneira possível, e assim evitar o trecho de “ta errado”, mas sim falar: faça desta maneira que será melhor, ou então, dizer para ele observar como se faz. Mas em uma aula de música o que ajuda mais o aluno é a prática, pois quando exercitamos algo várias vezes podemos chegar à perfeição.

José Portela Cacau
Licenciatura em Música
Pólo Tarauacá – Acre


PRÁTICA DE ENSINO E APRENDIZAGEM MUSICAL 1

Concepções sobre a aula de música

Concepções sobre a aula de música

A Direção da Escola Saint Francis demonstra uma incapacidade de ensinar aqueles jovens, talvez até de poder financeiros diferenciados, por serem da periferia, sem entender ou talvez não dando importância para a nova professora que iria dar aulas de música. A Professora Irmã Mary Clarence teve muitas dificuldades para ensinar aquelas crianças. O desconhecimento da direção e a falta de interesse relacionados com a música deixou a professora muito preocupada, de especial por não ter equipamentos, como ela mesma disse que queria materiais, instrumentos musicais, livros de músicas para poder trabalhar, como não teve apoio o jeito foi agir com conta própria. Ela mostrou que com força de vontade e muita dedicação é possível construir até mesmo o que acham ser impossível.

O desinteresse pela arte da música faz com que as pessoas não busquem e nem valorizem essa tão valiosa e perfeita maneira de se equilibrar tanto pessoalmente, psiquicamente, mentalmente e espiritualmente. Este valor diferenciado que algumas pessoas têm, fazem a alegria de todas as outras que não são capazes de produzir algo tão valioso para o equilíbrio humano, com o toque de um dedo se vislumbra e se deliciam de sons e vozes de talentosos músicos, tocadores e cantores. Essas pessoas viajam e meditam através de um trabalho árduo e tão pouco valorizado e reconhecido, se o músico não for famoso não consegue nem para viver dignamente.

Portela
Licenciatura em Música
Pólo Tarauacá-Acre

sábado, 7 de junho de 2008

sábado, 31 de maio de 2008

Semana 5 forum da unidade

Depois da leitura dos textos e da visitação dos links apresentados vamos compartilhar nossas impressões? Quais trabalhos lhe despertaram maior interesse? Por quê? Qual leitura você faz deles?

Olá, professora Carla e amigos do Curso de Música. Após dar uma olhada na semana, e visitar a nova interface, onde lá se localiza todos os conteúdos desta unidade, o que me chamou mais a atenção foi o texto música por computador, de Cíntia Campolina, pois ele retrata mais ou menos aquilo que vamos fazer no futuro, quando nos formarmos em música, pois fala um pouco sobre os instrumentos e os associa com o microcomputador. No texto também fala sobre as mídias utilizadas pelos instrumentos que é o MIDI, uma mídia universal, utilizada somente para sons. Nele abre uma polêmica sobre a utilização desta mídia, pois se acreditam que no futuro o computador possa substituir os músicos.

José Portela Cacau
Licenciatura em Música
Pólo Tarauacá – Acre

31.05.2008

domingo, 25 de maio de 2008

Portela Tocando Violão

Dica: Pause e espere carregar completamente para não ficar travando

video


Vídeo gravado para a observação do professor César.

quinta-feira, 22 de maio de 2008

Ótimo site sobre artes

Esse site é muito bom, eu o achei quando tava fazendo uma pesquisa sobre o assunto, ele mostra várias obras de artistas sua bibliografia e muito mais. Vale a pena conferir.
http://www.arteducacao.pro.br/

quarta-feira, 21 de maio de 2008

Tutores em Brasília

Tutores da UAB-UNB em Brasília dos Pólos da Região Norte estudados neste Bimestre e a Coordenadora do Curso de Música Professora Flávia.

domingo, 18 de maio de 2008

Bem vindos ao meu Blog

Prát. de Ens. Aprend. Musical 1"Educação musical na contemporaneidade "Margarete Arroyo "

A II S N P M

Educação musical na contemporaneidade

Margarete Arroyo

Introdução

O tema proposto para esta mesa, Educação Musical na Contemporaneidade, é

instigante, uma vez que somos cotidianamente desafiados a repensar nossas práticas em

vista das questões que nossos alunos trazem ou do que a sociedade, de modo geral,

demanda de nós, educadores musicais. Entretanto, ele envolve uma teia complexa de

aspectos teóricos e práticos, de modo que nesta exposição proponho-me a apresentar um

fio desta teia, isto é, vou me concentrar na abordagem sociocultural da Educação Musical

na Contemporaneidade.

musical, “fenômeno

Essa abordagem implica em considerarmos que toda prática

transversal”, que "perpassa todos os espaços sociais" (Bozon, 2000, p.147), traz implícita a

aprendizagem dessa prática e que, assim, alguma modalidade de educação musical ocorre

em diversos contextos, envolvendo grupos sociais e culturais diversos.

Para discorrer sobre o recorte que escolhi, terei que esclarecer em que sentido os

termos “contemporaneidade” e “educação musical

” estarão sendo entendidos no âmbito

desta exposição. Também terei que mencionar sobre que bases epistemológicas a parte da

Educação Musical contemporânea que focalizei está assentada e qual tem sido seu campo

de investigação.

O objetivo desse texto é apresentar a abordagem sociocultural da Educação Musical

na contemporaneidade, focalizando parte de sua produção científica desde 1990 através de

uma bibliografia brevemente comentada.

Contemporaneidade e Educação Musical

Tomo por contemporaneidade “o hoje” ou o bem próximo do hoje, ou ainda, o que

parte de nós educadores musicais e/ou pesquisadores temos pensado e realizado no

momento. Entretanto, é preciso estar ciente de que esse pensamento e essa ação estão

assentados sobre um processo de construção de idéias e práticas, isto é, sobre uma história

que vem influenciando a área da Educação Musical. Assim, ao falar da abordagem

sociocultural da Educação Musical na contemporaneidade, além de focalizar parte do que

se pensa e se faz “hoje” na área, representado por parte da produção científica dos últimos

12 anos, também abordarei, mesmo que brevemente, a produção anterior a esse período,

pois a meu ver, ela foi definindo uma maneira de conceber aspectos da Educação Musical

atual.

O termo "Educação Musical" abrange muito mais do que a iniciação musical

formal, isto é, é educação musical aquela introdução ao estudo formal da música e todo o

processo acadêmico que o segue, incluindo a graduação e pós-graduação; é educação

musical o ensino e aprendizagem instrumental e outros focos; é educação musical o ensino

e aprendizagem informal de música. Desse modo, o termo abrange todas as situações que

18

NAIS DO EMINÁRIO ACIONAL DE ESQUISA EM USICA DA UFG

A II S N P M

envolvam ensino e/ou aprendizagem de música, seja no âmbito dos sistemas escolares e

acadêmicos, seja fora deles.

As bases epistemológicas

Vou apresentar a seguir minha visão do processo de construção histórica do que

hoje entendemos como a abordagem sociocultural da Educação Musical, focalizando suas

bases epistemológicas, ou seja, as formas de conhecer que esse sub campo adota. É

importante ter consciência dessas formas de conhecer, pois elas têm um impacto direto

sobre nossas ações.

Voltemos rapidamente para o início do século XX, quando a educação musical em

era a acadêmica/escolar, isto é, a educação musical que

foco na sociedade ocidental

acontecia nos conservatórios e nas escolas. Suas bases epistemológicas estavam assentadas

em algumas formas de conhecer ou entender a realidade: a compreensão do ensino e da

aprendizagem musical estava baseada em uma lógica carteziana e positivista e o que

deveria ser ensinado e aprendido era o que na visão evolucionista era tomado como o ápice

da produção musical da humanidade: a música de concerto dos séculos XVIII e XIX da

tradição européia.

Paralelamente a essas formas de conceber a realidade e o que se entendia por

música e por seu ensino e aprendizagem, estavam ocorrendo “revoluções” em diversas

áreas do conhecimento, isto é, outras possibilidades de entender a realidade e que rompiam

com muitas das visões em vigor. Entre as áreas onde novas visões de realidade estavam

sendo construídas e que facilmente poderíamos localizar estão: a Física, a Psicologia, as

Ciências Sociais, as Artes, a Pedagogia, a Economia, entre outras. Essas “revoluções”

determinaram o que passamos a reconhecer como o século XX, e nesse processo histórico,

o pensamento e a ação da Educação Musical foram sendo revistos.

Não vou fazer aqui um inventário das modificações que nosso campo de atuação foi

tendo ao longo do século passado; vou sim, deter-me em uma das vertentes dessas

modificações, a já mencionada abordagem sociocultural da Educação Musical, que, a meu

ver, constitui-se em parte significativa da produção contemporânea da área.

Para compreender a constituição dessa vertente é necessário observar as

“revoluções” que ocorreram nas ciências sociais, que por sua vez influenciaram as

musicologias e as pedagogias, campos de conhecimento que segundo alguns autores

conferem bases conceituais e de ação para a Educação Musical (Arroyo, 1998/99; 1999;

Kramer, 2000; Del Ben e Hentschke, 2001).

A Antropologia, ciência que nasceu sob influencia epistemológica do positivismo e

evolucionismo em fins do século XIX, foi, por força de novos procedimentos

interpretativos de seus próprios dados de pesquisa construindo outro referencial teórico.

Nessa construção, dois conceitos contribuíram para toda uma revisão epistemológica nas

ciências sociais. Trata-se dos conceitos de relativização dos processos e produtos culturais

e de cultura. Relativização implica que os processo e os produtos culturais só podem ser

compreendidos se considerados no seu contexto de produção sociocultural; o conceito de

encontra no entendimento de Cliffort Geertz uma interpretação que tem

cultura

influenciado muitos estudiosos, isto é, cultura entendida como uma teia de significados que

conferem sentido à existência humana (Geertz, 1989). Essa revisão epistemológica na

Antropologia teve um importante papel na superação de uma visão eurocêntrica da

19

NAIS DO EMINÁRIO ACIONAL DE ESQUISA EM USICA DA UFG

A II S N P M

produção cultural humana, isto é, a cultura européia deixou de ser o modelo ideal de cultura

e passou a ser mais uma das várias culturas.

Para exemplificar estes conceitos de relativização e cultura, tomo como exemplo o

objeto de estudo da Etnomusicologia ou Antropoliga da Música, isto é, "a música como

cultura" (Merrian, 1964). Então, de acordo com uma visão relativizadora e da compreensão

de cultura como teia de significados que conferem sentido à ação dos grupos sociais, a

música de, por exemplo, alguma população africana deve ser compreendida segundo a

lógica da cultura desta população e não segundo procedimentos valorizados de outra

cultura. Esta música africana não pode ser mais chamada de primitiva como o fora antes,

aos olhos da cultura européia. Esta postura relativista foi propiciando à Etnomusicologia a

superação de uma visão eurocêntrica de música, isto é, uma visão que tomava como

referência de análise e valor a música européia de concerto, e o reconhecimento de que já

não seria possível falarmos de música no singular. Estávamos então percorrendo as décadas

de 50 a 70 do século XX (Merrian, 1964; Blacking, 1973; 1995).

Outra contribuição decisiva das ciências sociais para uma compreensão mais densa

das sociedades e culturas é a idéia de que a realidade é uma construção social (Berger e

Luckmann, 1985[1966]). A superação de uma visão eurocêntrica do mundo e a

compreensão da construção social da realidade levaram a outras elaborações decisivas na

segunda parte do século XX, entre elas a visão pós-moderna e pós-estruturalista, quando

houve rupturas com a idéia de progresso, de objetividade incontestável da ciência; quando

as grandes narrativas foram substituídas pela narrativa de todos, e que poder e saber

poderiam estar estreitamente relacionados. Aqui avançamos as décadas de 1970 e 1980.

As musicologias, as pedagogias e a Educação Musical não ficaram imunes a todo

esse movimento. Além da ampliação das visões de música e da relação entre músicas e

culturas promovida pela Etnomusicologia, estudos sobre os discursos hegemônicos em

música aparecem, entre eles a chamada musicologia crítica e estudos da música popular

(McClaren, 1991; Middleton, 1990).

A partir dessa breve revisão, ressaltamos que a abordagem sociocultural da

Educação Musical se assenta sobre as idéias do relativismo cultural e sobre a idéia das

músicas como construções socioculturais. Associados a esses pontos, estão que: as músicas

devem ser estudadas não apenas como produto, mas como processo; alguma modalidade de

educação musical acontece em todos os contextos onde haja prática musical, sejam eles

formais ou informais; portanto há inúmeras possibilidade de se empreender a educação

musical, como ressalta Jorgensen (1997, p.66):

"a educação musical (...) é uma colagem de crenças e práticas. Seu papel na formação e

manutenção dos [mundos musicais] - cada qual com seus valores, normas, crenças e

expectativas - implica formas diferentes nas quais ensino e aprendizagem são realizados.

Compreender esta variedade sugere que pode haver inúmeras maneiras nas quais a educação

pode ser conduzida com integridade. A busca por uma única teoria e prática de instrução

musical aceita universalmente, pode levar a uma compreensão limitada".

Seu campo de investigação

Seguindo esta exposição, apresento parte da produção científica da abordagem

sociocultural da Educação Musical nos últimos 12 anos, ressaltando que não pretendi um

levantamento exaustivo da literatura, tarefa que demandaria muito mais tempo do que o

disponível para a elaboração deste texto.

20

NAIS DO EMINÁRIO ACIONAL DE ESQUISA EM USICA DA UFG

A II S N P M

Antes porém de chegar à produção dos últimos 12 anos, gostaria de destacar alguns

trabalhos ligados à Educação Musical anteriores a este período que, a meu ver, foram

fundamentais para irmos delineando essa perspectiva sociocultural que teve nos anos 90 e

início do século XXI uma explosão de produção. Em ambos os casos, serão citados os

estudos e um breve comentário dos mesmos.

1972 - “Music World Cultures” - número especial da revista Music Educators Journal,

editada pela Conferência Nacional de Educadores Musicais dos Estados Unidos (MENC,

1972).

Trata-se de um volume temático da referida revista, com artigos de antropólogos,

etnomusicólogos e musicólogos abordando as músicas de várias culturas.

1977 - “Music, Education, Society” - livro do pesquisador australiano Christopher Small

(Small, 1980; 1989).

Esse livro é considerado por muitos estudiosos como um marco no repensar da Educação

Musical nos seus aspectos conceituais e práticos. O autor propõe "examinar a tradição

musical ocidental" através da nossa vivência, acentuada no século XX, de outras culturas

musicais.

1977 - “Whose Music? A sociology of Musical Languages”, de John Shepherd, Phil

Virden, Graham Vulliamy e Treador Wishart. Os autores do livro, todos britânicos,

encabeçaram um movimento vinculado a uma perspectiva sociológico-crítica da Educação

Musical no final dos anos 70 e durante os anos 80 na Grã-Bretanha. (Shepherd et al.,

1977).

O livro traz temáticas ligadas à música e processo social, significado musical,

música e ideologia, educação musical e música popular.

1984 - “Possibilidades e limites de uma orientação musicológica à Educação Musical” -

artigo publicado na revista Art da Escola de Música da Universidade Federal da Bahia pelo

musicólogo Alexandre Bispo (Bispo, 1984).

O artigo trata da proposta de uma orientação musicológica no currículo do curso de

Licenciatura em Música, fundamentada na "convicção de uma necessária posição

relativista no julgamento estético das várias manifestações musicais (...)" (p.55).

1984/85 - “Música e educação não-formal” - artigo publicado na revista Pesquisa e

Música, do Conservatório Brasileiro de Música. (Conde; Neves, 1984/85).

Esse artigo traz um estudo pioneiro no Brasil sobre o ensino e a aprendizagem

informal de música. Os autores, Cecília Conde e José Maria Neves, discutem como

a escola desprestigia a experiência musical de seus estudantes. O locus do estudo é

o Rio de Janeiro.

1985 - "Becoming Human Through Music: The Wesleyan Symposium on the Perspectives

of Social Anthropology in the Teaching and Learning of Music". Esse simpósio aconteceu

21

NAIS DO EMINÁRIO ACIONAL DE ESQUISA EM USICA DA UFG

A II S N P M

nos Estados Unidos em 1984 e contou com presença de vários antropólogos e

etnomusicólogos. (MENC, 1985).

A publicação conta com textos de David P. McAllester, Robert Garfias, John Blacking,

Bruno Nettl, Charles Keil, Timothy Rice, entre outros. Esses textos abordam estudos

etnomusicológicos sobre ensino e/ou aprendizagem de música nas culturas estudadas por

esses pesquisadores.

1998 - "Hãlau, Hochschule, Maystro, and Ryu: cultural approches to music learning and

teaching" - texto publicado nos anais do congresso da ISME (International Society of

Music Education) e de autoria do etnomusicólogo filipino Ricardo Trimillos. (Trimillos,

1988)

Trimillos propõe um modelo de observação de quatro contextos de educação musical

citados no título do texto, a partir dos seguintes aspectos relacionados a cada uma das

músicas praticadas nesses contextos: o que é crítico a cada uma das práticas, o que é

desejável e o é incidental. Através desse quadro comparativo, fica evidente a necessidade

de uma postura relativista sobre o estudo das práticas musicais e conseqüente necessidade

de ampliação conceitual e prática da Educação Musical.

1988 - “Music on deaf ears: musical meaning, ideology, education” - Lucy Green, a autora

desse livro, é educadora musical inglesa que tem se dedicado à perspectiva sociológica da

Educação Musical. (Green, 1988).

Lucy Green aponta para as várias questões que têm sido levantadas sobre o fazer musical

contemporâneo e procede a um estudo sobre a construção do significado musical,

ressaltando aspectos ideológicos. A autora defende que todo processo de significação

musical é permeado pelas ideologias presentes nas relações sociais.

1988 - “Music, talent, and performance: a conservatory cultural system” - Este livro resulta

do estudo de doutorado do americano Henry Kingsburry. (Kingsburry, 1988).

Kingsburry realiza uma incursão antropológica em uma conceituada escola norteamericana

de música, desvelando os sentidos culturais desse sistema social. Trata-se de um estudo de

referência sobre um abordagem antropológica do ensino e aprendizagem da música de

concerto da tradição européia.

A partir dos anos 90, os estudos socioculturais da Educação Musical expandem-se

consideravelmente, tanto no exterior quanto no Brasil.

1990 - “Educação Musical: processo de aculturação ou enculturação” - artigo publicado na

revista Em Pauta, do Programa de Pós-Graduação em Música da Universidade Federal do

Rio Grande do Sul. (Arroyo, 1990)

1991 - “Aprendizagem Musical não-formal em grupo culturais diversos” - artigo publicado

nos Cadernos de Estudo - Educação Musical. (Santos, 1991)

22

NAIS DO EMINÁRIO ACIONAL DE ESQUISA EM USICA DA UFG

A II S N P M

Este artigo e o anterior tratam de uma revisão bibliográfica sobre a abordagem sociocultural

da Educação Musical.

1992 - “The relationship between music and control in the everyday processes of the

schooling ritual” - Tese de doutorado de Irene Tourinho (1992), a partir da qual a autora

publicou vários artigos (Tourinho, 1992; 1993a; 1993b; 1994).

Tourinho realiza um estudo de referência em escolas parque de Brasília, focalizando os usos

e funções da música nesse contexto.

1995 - “Motivações, expectativas e realizações na aprendizagem musical: uma etnografia

sobre alunos de uma escola alternativa de música” - Dissertação de Mestrado de Walênia

Silva que abre caminho para uma série de estudos posteriores de linha etnográfica. (Silva,

1995; 1997).

A autora, educadora musical, insere-se etnograficamente em uma escola "alternativa" de

música localizada em Porto Alegre, desvelando os sentidos locais do ensino e aprendizagem

de música.

1995 - “Educação musical informal e suas formalidade”, comunicação de Marialva Rios

apresentada no IV Encontro Anual da ABEM. (Rios, 1995).

Nessa comunicação a autora descreve parte de sua pesquisa de mestrado, onde realiza um

estudo abordando processos informais e formais do ensino e aprendizagem de música. O

trabalho de campo, realizado em Salvador, indica as "formalidades" dos processos

informais de ensino e aprendizagem musical.

1995 - “Heartland excursions: ethnomusicological reflections on schools of music” - Livro

do etnomusicólogo americano Bruno Nettl (Nettl, 1995).

Nettl analisa etnomusicologicamente escolas americanas de música onde atuou por vários

anos. Trata-se de mais um estudo de caráter antropológico sobre o ensino e aprendizagem da

música de concerto da tradição européia.

1995 - “Music Matters: a new philosophy of music education” - David Elliott, educador

musical canadense. (Elliott, 1995)

Esse livro, de enfoque didático e dirigido para estudantes de licenciatura em música, traz

uma proposta de filosofia da educação musical sustentada, entre outros, por estudos

etnomusicológicos.

1997 - “In search of Music Education” - Estelle Jorgensen, educadora musical norte-

americana. (Jorgensen, 1997).

Jorgensen propõe nesse livro uma "visão dialética da Educação Musical", tendo como base

estudos de linha sociológica e antropológica (etnomusicológica), entre outros.

1997 - “Music, Gender, Education” - Lucy Green (1997)

23

NAIS DO EMINÁRIO ACIONAL DE ESQUISA EM USICA DA UFG

A II S N P M

Esse segundo livro de Green aborda a categoria de gênero (masculimo e feminino) na

educação musical sob a perspectiva da sociologia.

1998 - “Formação e atuação dos músicos de rua de Porto Alegre: um estudo a partir de

relatos de vida” - Dissertação de Mestrado. Celson Henrique S. Gomes (1998; 1998/99)

1998 - “ Saberes musicais em uma bateria de escola de samba uma etnografia entre bambas

da orgia” - Dissertação de Mestrado. Luciana Prass (1998; 1998/99).

1998 - “Oficina de música: uma etnografia dos processos de ensino e aprendizagem

musical em bairros populares de Porto Alegre” - Dissertação de Mestrado. Marília Stein

(1998; 1998/99).

Esses três estudos ampliam de modo significativo o movimento iniciado no Brasil por

Conde e Neves (1984/85), Tourinho (1992), Rios (1995) e Walênia Silva (1995). Essas

quatro pesquisas abordam diferentes espaços onde ensino e aprendizagem musical

acontecem. Gomes insere-se entre os músicos de rua de Porto Alegre, Prass, entre os

sambistas de uma escola de samba também em Porto Alegre e Stein, entre "oficineiros e

oficinantes" de projetos de Oficina de Música em bairros populares da capital gaúcha.

1998 - “Songs in the heads: music and its meaning in children’s life” - livro de Patricia

Campbell, educadora musical norte-americana. (Campbell, 1998).

Campbell vem há anos publicando textos que articulam educação e diversidade musical.

Nesse livro, seu foco é a variedade das relações que as crianças estabelecem com o fazer

musical. Adotando a técnica da observação e da entrevista, a autora registra aquela relação

em diferentes contextos: no recreio da escola, em lojas de brinquedos e em parques, etc.

1999 - “Representações sociais sobre prática de ensino e aprendizagem musical: um estudo

etnográfico entre congadeiros, professores e estudantes de música” - Tese de doutorado.

(Arroyo, 1999; 2000; 2001).

A autora se insere etnograficamente em dois contextos diversos de ensino e aprendizagem

musical: contexto de uma festa do congado e contexto de um conservatório de música,

ambos localizados na cidade de Uberlânida, MG. Promove, a partir dessa inserção,

reflexões acerca de um olhar antropológico sobre práticas de ensino e aprendizagem

musical.

2000 - “Análise dos processos de ensino-aprendizagem do acompanhamento do choro no

violão de seis cordas” - Dissertação de mestrado. Carlos A G. da Costa Chaves. (Chaves,

2000).

Os citados processos de ensino e aprendizagem são desvelados a partir de um conjunto de

entrevistas com músicos de choro.

2000 - “Violão sem professor: um estudo sobre processos de auto-aprendizagem com

adolescentes” - Marcos Corrêa (Corrêa, 2000; Souza; Corrêa, 2001).

24

NAIS DO EMINÁRIO ACIONAL DE ESQUISA EM USICA DA UFG

A II S N P M

Estudo que desvela as práticas de aprendizagem informal de música realizadas por

adolescentes de classe média residentes em Porto Alegre.

2000 - “A música é, bem dizê, a vida da gente; um estudo com crianças e adolescentes em

situação de rua na Escola Municipal Porto Alegre - EPA” - Vânia Müller (Müller, 2000a e

b)

Estudo que mostra a presença cotidiana da música entre crianças e adolescentes em situação

de rua.

2000 - “ Música, cotidiano e educação” - Jusamara Souza (org). (Souza et all, 2000)

Essa publicação resulta de uma pesquisa empreendida coletivamente e que focalizou os

estudos do cotidiano e experiências de uma educação musical baseada nesses estudos.

2001 - “How popular musicians learn: a way ahead for Music Education” - Lucy Green.

(Green, 2001)

Green constata que, apesar de nas últimas décadas a música popular ter adentrado cada vez

mais nos espaços institucionalizados de educação musical, pouco se sabe sobre "como os

músicos populares aprendem" música informalmente. O livro tem entre outros objetivos:

"examinar a natureza das práticas de aprendizagem informal dos músicos populares, suas

atitudes e valores" e explorar algumas possibilidades que as práticas de aprendizagem

informais da música popular poderiam oferecer à educação musical formal". (6-7)

2002 - "Música e televisão no cotidiano de crianças: um estudo de caso com um grupo de 9

e 10 anos". Dissertação de mestrado. Silvia Nunes Ramos. (Ramos, 2002).

Apresenta uma importante revisão bibliográfica sobre a televisão como meio de

aprendizagem, além de trazer dados de entrevistas e observação do que de música as

crianças aprendem através desse difundido meio de comunicação de massa e como. Tendo

como referencial teórico os meios de comunicação, os estudos do cotidiano e a pedagogia

crítica, essa pesquisa abre um valioso caminho para outros estudos no sentido de

compreendermos a relação entre aprendizagem musical, crianças/adolescentes e músicas

veiculadas na televisão.

2002 - "Do sertão para as salas de concerto: viola - um processo de ensino-aprendizagem".

Dissertação de mestrado. Andréa Carneiro de Souza. (Souza, 2002).

A partir de entrevistas realizadas com quatro violeiros (Abel Santos, Adelmo Arcoverde,

Braz da Viola e Roberto Corrêa), um interessante material é levantado sobre a participação

as práticas de ensino e aprendizagem da viola na trajetória que esse instrumento está

percorrendo do "sertão" para "as salas de concerto".

Conclusão

O objetivo deste texto foi apresentar a abordagem sociocultural da Educação

Musical como uma importante vertente contemporânea dessa área de conhecimento.

Baseados nos pressupostos epistemológicos do relativismo cultural e da constituição social

25

NAIS DO EMINÁRIO ACIONAL DE ESQUISA EM USICA DA UFG

A II S N P M

e cultural das práticas musicais, fazendo uso de metodologia de investigação de campo e de

técnicas que desvelam como o ensino e a aprendizagem de música acontecem em diferentes

cenários, os trabalhos apresentados na bibliografia comentada mostram alguns pontos que

merecem atenção. É a esses pontos que me dirijo agora.

Nos anos 70, a produção do que viria posteriormente a se constituir na abordagem

sociocultural da Educação Musical foi realizada principalmente por etnomusicólogos,

antropólogos e musicólogos, que a partir de seus trabalhos de campo em diferentes grupos

culturais, buscam chamar a atenção dos educadores musicais para a necessidade de

ampliações conceituais e práticas da Educação Musical.

Nos anos 80, os educadores musicais-pesquisadores começam a responder a esse

chamado, respostas que crescem substancialmente nos anos 90.

Os trabalhos de campo constituem-se em um procedimento fundamental para o

desvelamento das práticas de ensino e aprendizagem musicais locais e, a partir desse

desvelamento, passar à construção das primeiras sínteses conceituais. Essas, a meu ver,

estão presentes nos trabalhos de Elliott (1995) e Jorgensen (1997). Entretanto, vemos que

ainda neste início de século XXI os trabalhos de campos são o principal tipo de produção,

numa indicação de que é preciso levantar mais evidências para articularmos modelos

teóricos no âmbito dessa abordagem sociocultural.

Outra observação a ser feita diz respeito à diversidade dos contextos de estudo. São

focalizados: grupos culturais tradicionais; grupos urbanos, escolares e não escolares;

cenários fortemente vinculados à tradição da música européia de concerto; cenários

vinculados às músicas populares; o papel das tecnologia atuais, como a internet, e nem tão

atuais, como a televisão, na aprendizagem musical.

Mas, sem dúvida, o maior desafio que a área enfrenta a partir desses estudos diz

respeito às ações, principalmente nos cenários acadêmicos e escolares. Algumas questões

levantadas nesse sentido são:

Como trazer para os sistemas escolares os procedimentos de ensino e aprendizagem

de práticas musicais construídos em contextos não escolares?

Como podemos recriar as práticas de educação musical escolares e acadêmicas a

partir da ampliação da visão de ensino e aprendizagem musical advindas das pesquisas

citadas nesse texto?

Como formar os educadores musicais na perspectiva da abordagem sociocultural da

Educação Musical?

Alguns relatos sobre as ações baseadas na abordagem sociocultural da Educação

Musical começam a parecer nesse início de século. Os anais do 7° Simpósio Paranaense de

Educação Musical, realizado em 2000 sob a temática "Educação Musical: Transitando entre

o formal e o informal"(Curso de Música/UEL, 2000) trazem exemplos dessa produção que

merece também um comentário bibliográfico, cujo objetivo é fazer conhecer campos de

produção. Mais do que isso, as ações baseadas nessa abordagem sociocultural merecem um

cuidadoso trabalho de análise e reflexão para entendermos como estamos construindo a

Educação Musical na contemporaneidade. Essa tarefa fica para outra ocasião.

Referências bibliográficas

ARROYO, M. Educação Musical: um processo de aculturação ou enculturação? Em Pauta: Revista do Curso

de Pós-Graduação em Música - UFRGS, v.1, n.2, p.29-43, jun. 1990.

26

NAIS DO EMINÁRIO ACIONAL DE ESQUISA EM USICA DA UFG

A II S N P M

____________. Cenários de aprendizagem musical: transformando o olhar. Música Hoje - Revista de

Pesquisa Musical. N.5/6, p. 83-103, 1998/1999.

____________. Música popular em um Conservatório de Música. . Revista da ABEM- Associação Brasileira

de Educação Musical, n.6, p. 59-68, 2001.

____________. Representações sociais sobre práticas de ensino e aprendizagem musical: um estudo

etnográfico entre congadeiros, professores e estudantes de música, Tese (doutorado em Música) -

IA/PPG-Música, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 1999.

____________. Um Olhar Antropológico Sobre Práticas de Ensino e Aprendizagem Musical. Revista da

ABEM- Associação Brasileira de Educação Musical, n.5, p.13-20, 2000a.

Berger, Peter e Luckmann, Thomas. A construção social da realidade: tratado de Sociologia do

Conhecimento. Petrópolis: Vozes, 1985.

BISPO, A. Possibilidades e limites de uma orientação musicológica à Educação Musical. Art: Revista da

Escola de Música da Universidade Federal da Bahia, n.10, p. 37-62, 1984.

BLACKING, J. How Musical is Man? Seattle: University of Washington Press, 1973.

___________. Music, culture and experience: selected papers of John Blacking. Chicago: University of

Chicago Press, 1995.

BOZON, M. Práticas musicais e classes sociais: estrutura de um campo local. Em Pauta, v.11, n. 16/17,

p.142-174, 2000.

CAMPBELL, P. S. Songs in their heads: music and its meaning in children’s lives. Oxford: Oxford

University Press, 1998.

CHAVES, C.A G. C. Análise dos processos de ensino-aprendizagem do acompanhamento do choro no violão

de seis cordas. Dissertação (Mestrado em Educação Musical) - UNI-RIO, 2000.

CONDE, C.; NEVES, J. M. Música e educação não-formal. Pesquisa e Música, v.1, n.1, p. 41-52,

1984/1985.

CORRÊA, Marcos. K. Violão sem professor: um estudo sobre processos de auto-aprendizagem com

adolescentes. Dissertação (Mestrado em Educação Musical) - IA/PPG-Música, Universidade

Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 2000.

DEL BEN, L.; HENSTCHKE, L. A Educação Musical escolar como um encontro entre musicologias e

pedagogias: contribuições para a definição do campo da Educação Musical. Anais do X Encontro

Anual da ABEM. Uberlândia, 2001. (CDRom)

CURSO DE MÚSICA/UEL. Anais do 7° Simpósio Paranaense de Educação Musical. Londrina, 2000.

ELLIOTT, D. Music Matters: a new philosophy of music education. Oxford: Orford

University Press, 1995.

GEERTZ, C. A interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: Guanabara/Koogan, 1989.

GOMES, C. H.S. Formação e atuação dos músicos das ruas de Porto Alegre: um estudo a partir dos relatos

de vida. Dissertação (Mestrado em Educação Musical) - IA/PPG-Música, Universidade Federal do

Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 1998.

__________. Formação e atuação dos músicos das ruas de Porto Alegre: um estudo a partir dos relatos de

vida. Em Pauta - Revista do Programa de Pós-Graduação em Música - UFRGS, v.10, n.14/15, p.

35-48, nov/98-abril/99.

GREEN, L. How popular musicians learn a way ahead for music education. Brookfield: Ashgate, 2001.

_________. Music, gender, education. Cambridge: Cambridge University Press, 1997.

_________. Music on deaf ears: musical meaning, ideology, education. Manchester: Manchester University

Press, 1988.

JORGENSEN, E. In search of music education. Urbana: University of Illinois Press, 1997.

KINGSBURY, H. Music, talent, and performance: a conservatory cultural system. Philadelphia: Temple

Univ. Press, 1988.

KRAMER, R.D. Dimensões e funções do conhecimento pedagógico-musical. Em Pauta, v.11, n.16/17,

abril/nov.2000.

McCLARY, S. Feminine Endins music, gender, and sexuality. Minnesota: University of Minnesota Press,

1991.

MENC - Music Educators National Conference. Becoming human through music - The Wesleyan

Symposium on the perspectives of social antropology in the teaching and learning music. Reston,

Vi.: Music Educators National Conference, 1985.

MENC - Music Educators National Conference. Music in world cultures. Music Educators Journal, v.59, n.2,

oct. 1972.

27

NAIS DO EMINÁRIO ACIONAL DE ESQUISA EM USICA DA UFG

A II S N P M

MERRIAN, A The Anthropology of Music. Evanston: Northwestern University Press, 1964.

MIDDLETON, R. Studying popular music. Milton Keynes: Open University Press, 1990.

MÜLLER, V. A música é, bem dizê, a vida da gente; um estudo com crianças e adolescentes em situação de

rua na Escola Municipal Porto Alegre - EPA. Dissertação. (Mestrado em Educação Musical). ) -

a.

IA/PPG-Música, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 2000

_________. A música é, bem dizê, a vida da gente; um estudo com crianças e adolescentes em situação de rua

na Escola Municipal Porto Alegre - EPA. Anais do IX Encontro Anual da ABEM, Belém, 2000 b.

(Disquete)

NETTL, B. Heartland excursions: ethnomusicological reflections on schools of music.Chicago: University of

Illinois Press, 1995.

PRASS, L. Saberes musicais em uma bateria de escola de samba: uma etnografia entre os "Bambas da

Orgia". Dissertação (Mestrado em Educação Musical) - IA/PPG-Música, Universidade Federal do

Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 1998.

_________. Saberes musicais em uma bateria de escola de samba (ou por que "ninguém aprende samba no

colégio". Em Pauta - Revista do Programa de Pós-Graduação em Música - UFRGS, v.10, n.14/15,

p. 5-18, nov/98-abril/99.

RAMOS, S.N. Música e televisão no cotidiano de crianças: um estudo de caso com um grupo de 9 e 10 anos.

Dissertação. (Mestrado em Educação Musical) - - IA/PPG-Música, Universidade Federal do Rio

Grande do Sul, Porto Alegre. 2002.

RIOS, M. Educação musical informal e suas formalidades. Anais do IV Encontro Anual da ABEM. Goiânia,

1995, p.67-72.

SANTOS, R. M. S. Aprendizagem musical não-formal em grupo culturais diversos. Cadernos de Estudo-

Educação Musical n.2/3, p.1-14, ago.1991.

SHEPHERD, J. et al. Whose music? a sociology of musical language. London: Transaction Book, 1977.

SILVA, W. M. Motivação, expectativas e realizações na aprendizagem musical: uma etnografia sobre

alunos de uma escola alternativa da música. Dissertação (Mestrado em Educação Musical) -

IA/PPG-Música, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 1995.

SMALL, C. Music. Society. Education: a radical examination of the prophetic function on music in Western,

Eastern and African cultures with its impact on society and its use in education. Londres: John

Calder, 1977.

__________. Música, sociedade, educacion: un exame de la función de la música em las culturas

occidentales, orientales y africanas, que estudia su influencia sobre la sociedad y sus usos en la

educación. Madri: Alianza Editorial, 1989.

SOUZA, A C. Do sertão às salas de concerto: viola - um processo de esnino-aprendizagem. . Dissertação

(Mestrado em Educação Musical) - UNI-RIO, 2002.

SOUZA, J. (org.) Música, cotidiano e educação. Porto Alegre: Programa de Pós-Graduação em Música do IA

da UFRGS, 2000.

SOUZA, J. ; CORRÊA, M. K. Música e adolescência: práticas de aprendizagem musical em contexto extra-

escolar. Anais do XI Encon tro Anual da ABEM, Uberlândia, 2001. CDRom.

STEIN, M. R. Oficina de música: uma etnografia dos processos de ensino e aprendizagem musical em

bairros populares de Porto Alegre. Dissertação (Mestrado em Educação Musical) -IA/PPG-

Música, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 1998

___________. Oficina de música: uma etnografia dos processos de ensino e aprendizagem musical em bairros

populares de Porto Alegre. Em Pauta - Revista do Programa de Pós-Graduação em Música -

UFRGS, v.10, n.14/15, p. 19-34, nov/98-abril/99.

TOURINHO, I. A atividade musical como mecanismo de controle no ritual escolar. Boletim do NEA -

Núcleo de Estudos Avançados, v. 2, n.2, p.30-38, 1994.

__________. Música e controle: necessidades e utilidade da música nos ambientes

ritualísticos das instituições escolares. Em Pauta, Revista do Programa de Pós-Graduação

em Música - UFRGS, v.5, n.7, p.67-78, jun. 1993a.

__________. The relationship between music and control in the everyday processes of the schooling ritual.

Tese (Doutorado e Educação)- University of Wisconsin, Madison, 1992.

__________. Usos e funções da música na escola pública de 1. grau. In: Fundamentos da Educação

Musical. (Série Fundamentos, 1.) Porto Alegre: ABEM, maio, 1993b, p.91-133.

28

NAIS DO EMINÁRIO ACIONAL DE ESQUISA EM USICA DA UFG

A II S N P M

TRIMILLOS, R. Hãlau, Hochschule, Maystro, and Ryu: cultural approches to music learning and teaching.

International Music Education, ISME, yearbook, n.15, p.141-147, 1988.

Notas

As práticas musicais compreendem um complexo de aspectos, desde os produtores e receptores das ações

musicais, o que eles produzem, como e por quê, e todo o contexto social e cultural que dá sentido às próprias

ações musicais.

Quando a expressão Educação Musical vier escrita com as letras iniciais em maiúsculo, refere-se à Educação

Musical como campo acadêmico de conhecimento tal qual a Antropologia ou a Etnomusicologia. Quando esta

expressão vier escrita com todas as letras minúsculas, refere-se à educação musical como prática.

29